Home / Archive by Category "O Livreiro"

Arquivos

Como foi o início da Realejo Livros

3858217222_935e56e423






A Realejo Livros nasceu como livraria em 2001, dentro da Universidade Católica de Santos. Em 2003 mudou-se para o espaço que hoje os clientes estão acostumados a freqüentar, no coração do Gonzaga. Foi nesta época que o proprietário, o livreiroJosé Luiz Tahan, convidou o escritor José Roberto Torero para tornar-se sócio da Realejo, parceria que encerrou-se em 2005. O segundo capítulo dessa história teve início em 2006, quando José Luiz decidiu expandir seu trabalho, criando a Realejo Edições. No final de 2007 foi inaugurada a segunda loja, no Shopping Miramar. Mais tarde, em 2009, inicia-se um novo capítulo na empresa com a estréia do festival internacional de literatura, a Tarrafa Literária. Com inspiração em Paraty e Passo Fundo, cidades que sediam outros grandes eventos literários,…

Festival Internacional Tarrafa Literária traz grande programação para Santos

7 tarrafa






Abertura começa nesta quarta-feira (23), no Sesc Santos, às 19h. Edição conta com oficinas de escritas e atividades para o público.  A 7ª edição da Tarrafa Literária, o Festival Internacional de Literatura, começa nesta quarta-feira (23) e prossegue até domingo (27), em Santos, no litoral de São Paulo. Com uma programação gratuita, a abertura conta com apresentação a partir das 19h, no Sesc-Santos, que também abrigará uma oficina de escrita e atividades para o público infantil ao longo do evento. Nesta edição, Nelson Motta, autor de ‘Vale Tudo’, biografia de Tim Maia, e Julio Maria, autor de ‘Nada Será como Antes’, biografia de Elis Regina, debatem a liberação das biografias. Outros nomes nacionais que marcam presença nos debates são os gêmeos quadrinistas Fábio Moon e Gabriel…

O livreiro José Luiz Tahan relembra uma passagem vivida na lendária livraria Iporanga:

josc3a9-luiz-tahan






“Lembrando aqui um dia de rotina nos idos dos anos noventa, comecinho da década, comecinho como balconista na livraria Iporanga. Seu Antonio, um dos donos da livraria e pai do Luigi Marnoto me vê de braços cruzados, ele tira os óculos da face, mastigando de leve uma das hastes e dispara: – Zé Luiz, tá vendo aquelas caixas de caneta Bic? Umas dez caixas amarelas repousavam no balcão do fundo da livraria, aham, Seu Antonio, tô vendo. Abre uma por uma e vê se realmente tem 50 unidades, acho que esses caras estão me enrolando. Deixa comigo, Seu Antonio, ninguém aqui vai enrolar o senhor!”

Jornalista José Hamilton Ribeiro traça panorama da música de raiz em livro

15324231






Um vistoso bigode branco denuncia: José Hamilton Ribeiro é um homem de estilo clássico. Um jornalista do tempo em que, na pequena Santa Rosa de Viterbo (SP), a rádio tocava modas em que a melancolia se emaranhava nos acordes da viola. Cresceu ouvindo sobre a índia de cabelos negros como a noite que não tem luar; sobre um tal de Chico Mineiro que acabou baleado durante uma Festa do Divino; sobre o sertanejo que, saudoso de seu sertão, deu adeus a uma paulistinha do coração. “Eu vivi nesse ambiente”, diz Zé Hamilton, que relança a obra “Música Caipira – As 270 Maiores Modas”, publicada em 2006 e, agora, ampliada com capítulos e dois DVDs –um documentário sobre o gênero e um musical. Bruno Santos/Folhapress O…